Testo


" O espírito se enriquece com aquilo que recebe;
o coração com aquilo que dá. "

Bem Vindos ao Portal Arco Íris

sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

ABSOLVA-SE DE QUALQUER CULPA

ABSOLVA-SE DE QUALQUER CULPA
Perdoar-se significa a absolvição de qualquer culpa, ressentimento ou recriminação que cultivamos contra nós mesmos. 
Na infância, a maioria de nós passou por momentos difíceis mesmo que não tenhamos feito nada errado, e tomamos a decisão inconsciente de que a culpa era nossa. Éramos “vítimas” inocentes que continuaram a se culpar até que se tornaram os vitimadores. Vestimos o capuz de algozes, passamos a não ver mais com clareza a fronteira entre o que era nosso e o que não era e não conseguimos mais fazer essa distinção. Éramos aqueles que se responsabilizavam por coisas que nem mesmo tínhamos feito e depois usávamos essas coisas para nos martirizar, repetidas vezes. 
Muitas pessoas após muitos anos, continuam condenando-se por coisas que não fizeram ou que estavam além do seu controle, como o comportamento de outras pessoas. Nós nos culpamos por termos sido molestados, abandonados, enganados, traídos, passados para trás ou trapaceados. Já é ruim o suficiente ter culpa por coisas para as quais colaboramos, mas, além disso, agravamos nossos sentimentos nos responsabilizando pelos crimes dos outros.
 O auto perdão é um processo libertador que começa no momento em que
dizemos a verdade e nos tornamos suficientemente compassivos e humildes para dizer que sentimos muito por todas as maneiras com as quais, conscientemente ou não, nós nos ferimos e ferimos outras pessoas.
Assim como temos que separar o pecado do pecador para perdoar aqueles que cometeram atos de negligência, violência ou má fé contra nós, precisamos agora separar a nossa pessoa dos atos que cometemos contra nós mesmos e contra os outros. 

Agora, quero deixá-lo a par dos fatos, para o caso de você resvalar para a negação. Todos nós já fizemos coisas que feriram outras pessoas. Todos nós já frustramos as expectativas alheias, proferimos palavras que abriram suas feridas, ultrapassamos os limites de alguém, roubamos, mentimos, enganamos, fofocamos, deixamos que algo ruim acontecesse, ocultamos a verdade, nos embebedamos e envergonhamos aqueles que estão próximos a nós. 
Todos fizemos promessas que não cumprimos, flertamos com pessoas embora fôssemos comprometidos ou desejamos mal a alguém em nossos pensamentos. Gritamos com os nossos filhos, rejeitamos alguém que estava profundamente apaixonado por nós ou sonegamos impostos. 
Todos somos pecadores em algum sentido e, embora os nossos crimes possam não parecer tão terríveis quanto os dos nossos vizinhos ou das pessoas que aparecem nos noticiários, ainda precisamos reconhecer o rancor que temos de nós mesmos por causa deles. 
Temos de aprender a separar as nossas ações de quem somos como pessoas. Se não fizermos isso, teremos que sofrer as consequências de conviver com uma versão derrotada de nós mesmos.

Perdoar significa abandonar o chicote com que nos açoitamos. 
Significa deixar para trás todas as mensagens interiores torturantes e auto induzidas que repetimos toda hora em nossa mente e optar pela paz em vez da dor, pela gratidão em vez da culpa, pela solidão em vez do barulho e pelo amor em vez da guerra. 
Significa perdoar-nos por todas as pessoas que ferimos, direta ou indiretamente, e por todos os atos de violência que cometemos contra o nosso próprio corpo, mente e psique. 
Significa perdoar-nos pelos erros que cometemos, por ter expectativas e padrões altos demais e por não sermos perfeitos, em suma, por sermos humanos. O perdão nos convida a fazer correções internamente e depois nos perdoar pelas coisas detestáveis e às vezes horripilantes que fizemos contra outras pessoas.
Você pode começar dizendo à criança doce e inocente que vive dentro do seu ser que você lamenta muito por todas as vezes que fez escolhas que não a favoreciam, que não fez um bom julgamento e acabou prejudicando-a. 
Você pode dizer a si mesmo que sente por todas as vezes que pegou coisas que não eram suas por direito e pelas vezes em que intimidou, atormentou ou atacou os outros. 
Peça a si mesmo perdão por todas as vezes em que teve comportamentos que feriram aqueles que amava, pelas vezes em que não teve fé e deixou que o medo guiasse as suas ações. 
Também é importante que você se perdoe por todas as vezes em que vendeu a sua alma e violou os seus próprios limites para receber o amor, o respeito e a aprovação dos outros. 
Você dá início ao processo de perdão quando reconhece todas as vezes em que fez escolhas reativas na tentativa de não ser inconveniente ou para não sentir a dor da ação correta.

O perdão serve para curar o seu eu emocional e acabar com a vergonha que você carrega. Trata-se de um diálogo pessoal entre você e as partes mais delicadas e íntimas do seu ser, uma conversa particular escrita por você para você. É aí que a cura acontece. 
Quando nos perdoamos, pegamos de volta toda energia que tínhamos dado aos outros e a redirecionamos para o nosso próprio coração cheio de ternura. O auto perdão é o único caminho para nos dar o amor e a compaixão que merecemos. 
Quando abrimos mão dos ressentimentos e remorsos do passado, tomamos consciência da joia radiante que somos, uma gema multifacetada cujas imperfeições contribuem para a sua beleza única.

Você é uma joia. Ao se tratar como uma joia inestimável diariamente será que você vai continuar com a mesma tendência para fazer escolhas tão desfavoráveis? 
Faça esta pequena experiência: trate-se como se você fosse um pote de ouro e depois observe o que acontece no mundo exterior. O auto perdão é um dos antídotos mais poderosos da vida para tratar a grande dor que existe no coração do mundo.
a.d.

Agradecemos a inclusão deste blog em seu compartilhamento.
Honre o Divino em você, honrando o Divino nos outros.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...